sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

https://forms.office.com/Pages/ResponsePage.aspx?id=3C52UFD5SE-0Oew0IoJgDLnHRkImx0xBihzDrkkUvUdUMk85MzZONk02WllVNURMTVY1UElLMEE4Ry4u

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

CORDEL




Xilogravura








Eu começo este cordel
Recorrendo ao dicionário
Pois o tal livro reflete
Um saber reacionário
Já que o significado
Do verbete ali mostrado
É antigo e ordinário.

Tomarei como um exemplo
A palavra de “mulata”
Revelada a sua origem
Que me fez estupefata
Pois compara com jumento
Com racista entendimento
A gente miscigenada.

Se você não conhecia
Eu lhe posso explicar
Que mulata se dizia
Com o fim de debochar
O termo pejorativo
Era depreciativo
Sem noção de respeitar.

É chamado de mulato
Aquele que é misturado
Um dos pais é de cor negra
Sendo o outro branqueado
Mas a miscigenação
No início da nação
Foi um mal desnaturado.

Nunca foi caso de amor
Como se pode alegar
Era caso de estupro
Que à negra ia abusar
O senhor da Casa Grande
Mui cruel e dominante
Pronto pra violentar.

E além dessa faceta
Existiu branqueamento
Como oficial medida
Para o tal clareamento
Com o fim de exterminar
De pra sempre eliminar
O negro do pensamento.


Essa torpe intenção
Que visava misturar
A cor negra e a branca
Até por fim conquistar
Um final clareamento
Jogando no esquecimento
A cor preta a incomodar.

É verdade que hoje em dia
No Brasil é proibido
O racismo já é crime
Mas não é nada escondido
Pois a imagem da mulata
Hoje ainda nos relata
Tal racismo aludido.

É possível ainda hoje
Um ditado se escutar
Se o pai é homem preto
E com branca se casar
Todos rezam pra nascer
Um bebê pra condizer
Que à mãe deve puxar.

Se tiver a pele clara
Mas cabelo encrespado
Sendo meio “moreninho”
E com nariz achatado
Vai sofrer com o racismo
Desse mundo de cinismo
Porcamente enquadrado.

E aí ninguém mais pensa
Que a mistura o clareou
Se o cabelo não é liso
Se o nariz não afilou
É tratado como preto
Com racismo obsoleto
Que jamais se acabou.

O problema, realmente
Na mistura não consiste
Mas é na mentalidade
Que o racismo ainda existe
Julgando que é um problema
E fazendo de um dilema
Essa cor que a pele exibe.

O problema é a tentativa
De impor branqueação
Destruindo a identidade
Para o povo da nação
Impedindo de enxergar
O racismo a clarear
Nessa padronização.

No passado se queria
O final da negritude
Que incomodava o branco
Por ter forte atitude
Pois a preta identidade
É dotada de verdade
De beleza e plenitude.

Os racistas do passado
Inda vivem no presente
Têm um discurso furado
Ensinado para a gente
De que negro não existe
E no termo vil insiste
Com postura insolente.

Vão chamando de mulato
Ou de pardo e bronzeado
Dizem que é cor de jambo
Tom moreno e amarronzado
Chama até de chocolate
Nesse torpe disparate
De racismo nomeado.

Só não chama pelo nome
Que lhe é fortalecido
Pois racista não tolera
O negro que é entendido
Que bem sabe de sua cor
E por ela tem amor
Com orgulho agradecido.

Quando digo que sou negra
Corre um monte pra falar
Que não sou suficiente
Para me identificar
Se não fosse irritante
Ia ser hilariante
Mas é de se preocupar.

Pois na hora do racismo
Quando querem desprezar
Todo o tipo de exclusão
Contra mim querem jogar
Já negaram até trabalho
Me queriam de cangalho
Para em mim poder pisar.

Mas a partir do momento
Que de tudo me toquei
Entendi o meu contexto
E enfim me empoderei
Tenho uma identidade
Forte essa integridade
E de negra me enxerguei.

Essa palavra “mulata”
Ela não me representa
Não sou cria de jumento
Nem de burro sou rebenta
Eu sou filha duma gente
Corajosa e imponente
Com história opulenta.

Não aceito essa carimbo
De “mulata” Globeleza
O meu corpo não é coisa
Pra racista nojenteza
Sei bem mais do que sambar
Pro machismo se acabar
Eu te passo essa certeza.

A beleza das pessoas
Está na diversidade
É por isso que acredito
Com muita sinceridade
Que ser negra é alegria
Com destreza e ousadia
É minha prioridade.

Não me chame de morena
Pois a minha aparência
Contém a ideologia
Da mais pura sapiência
É dotada de intenção
Com fim de libertação
Cheia de resiliência.

Eu mantenho sempre viva
Essa herança ancestral
Que por mim se perpetua
E que em mim é maioral
Negritude é baluarte
Resistente contraparte
Ao racismo imoral.

É por isso que eu exijo
O respeito que é devido
Que aceite a minha fala
E não venha de atrevido
Venha enfim compreender
Bem disposto para ver
O que tenho promovido.

Não me chame de mulata
Eu sou negra orgulhosa
Não me chame de morena
Eu sou preta vigorosa
Tenho garra pra lutar
Para a todos ensinar
Sempre bem esperançosa.

Essa minha identidade
Possui força exemplar
É firmada na coragem
De unir e conquistar
Resgatei minha raiz
E agora eu sou feliz
Pelo que posso contar.
Por Jarid Arraes na Revista Fórum



quinta-feira, 3 de agosto de 2017

PERFIL EMPREENDEDOR

TESTE

Interpretação semiótica de poema

Existe um provérbio que afirma: “uma imagem vale mais do que mil palavras”. Em certos aspectos, isso pode até ser verdadeiro. As imagens, especialmente as fixas, apresentam ao mesmo tempo tudo que têm a nos mostrar.
Em meio à diversidade implícita nos vários territórios da imagem, interessa-nos aqui explorar o campo da imagem como representação, criadas e produzidas para interpretar um poema.

Proposta de Instalação
Nível semiótico: fonético, morfossintático; semântico-figurativo.

a)Entregar : 
Capa:
Cabeçalho (Escola; nome e número dos alunos; série/classe; nome do Projeto "Interpretação semiótica de poemas"
Meme (sobre o poema)
A imagem domina a cena; o texto ressignifica essa imagem, introduzindo um elemento de humor.
1. Proposta do grupo
2. Poema escolhido
3. Níveis semióticos trabalhados
4. Ocorrência importante em cada nível
5. Explicações e interpretações

b) Instalação física ou apresentação virtual (#interpretaçãodepoemailzairma)

POETAS SUGERIDOS
􀁦 Adélia Prado
􀁦 Alphonsus de Guimaraens
􀁦 Álvares de Azevedo
􀁦 Carlos Drummond de Andrade
􀁦 Castro Alves
􀁦 Cecília Meireles

􀁦 Cruz e Sousa
􀁦 Ferreira Gullar
􀁦 Gonçalves Dias
􀁦 Manoel de Barros
􀁦 Manuel Bandeira
􀁦 Olavo Bilac
􀁦 Oswald de Andrade


Microconto - nanoconto

Embora o nanoconto tenha nascido bem antes da internet, parece ser um gênero feito sob medida para o Twitter e o FACEBOOK. É possível criar uma ideia literária, com todos os elementos de uma narrativa, com apenas 140 caracteres? Um nanoconto pretende construir, em pouquíssimas palavras, todos os elementos de uma estrutura narrativa. Mas como fazer isso? Explorar figuras de linguagem e intertextualidade, além da concisão, é claro, pode ser um caminho de sucesso.

http://www.plataformadoletramento.org.br/acervo-experimente/699/criar-nanocontos-com-a-turma.html?pagina=1

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Analisando as estratégias do ENEM em LP

A melhor forma de se preparar para o ENEM é manter o amplo contato com os diversos tipos e gêneros textuais: textos não verbais, editoriais, de artigos, literários, poéticos, musicais, assim como pinturas, gráficos, infográficos e resumos. Distribuição das questões de acordo com os blocos de conhecimentos:

Número de questões por bloco de conhecimentos.



Percebe-se a predominância de referência aos textos e autores modernos, a exemplo de Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira e Mário de Andrade. O movimento literário modernista é o que mais aparece nas questões, seguido pelos Anos 40/50, Romantismo, Anos 60/70 e Regionalismo de 30.
Número de citações nas provas do ENEM por autor brasileiro:

1 – Carlos Drummond de Andrade
2 – Machado de Assis
3 – Manuel Bandeira
4 – Mário de Andrade
5 – Oswald de Andrade
6 – Ferreira Gullar
7 – Rubem Braga
8 – Graciliano Ramos
9 – João Cabral de Melo Neto
10 – Vinicius de Moraes
11 – Chico Buarque de Hollanda
12 – Monteiro Lobato



segunda-feira, 5 de junho de 2017

RECUPERAÇÃO VERBOS


RECUPERAÇÃO PARALELA - 1º C - VERBOS

Recuperação PARALELA - 1º B verbos

O que é Literatura


A Literatura tem grande importância em nossa vida, principalmente nas escolas onde ela é bastante estudada. E por ela ser importante é necessário que se tenha um conceito sobre ela. Com o intuito de defini-la analisaremos a obra “O que é Literatura” de Marisa Lajolo, que como o próprio nome sugere poderemos senão defini-la ao menos obter maior esclarecimentos sobre a mesma.

sexta-feira, 2 de junho de 2017

ELABORAÇÃO DOS CONTOS

1ºA
CONTO 01
CONTO 02
CONTO 03
CONTO 04
CONTO 05
CONTO 06
CONTO 08

1ºB
CONTO 01
CONTO 02
CONTO 03
CONTO 04
CONTO 05
CONTO 06
CONTO 08

1ºC
CONTO 01
CONTO 02
CONTO 03
CONTO 04
CONTO 05
CONTO 06
CONTO 08

terça-feira, 16 de maio de 2017

LITERATURA - comparando obras

EXERCÍCIO 01                                                                                   
Leia com atenção os textos abaixo:

A UM POETA
Tu, que dormes, espírito sereno,
Posto à sombra dos cedros seculares,
Como um levita à sombra dos altares,
Longe da luta e do fragor terreno,

Acorda! é tempo! O sol, já alto e pleno,
Afugentou as larvas tumulares...
Para surgir do seio desses mares,
Um mundo novo espera só um aceno...

Escuta! é a grande voz das multidões!
São teus irmãos, que se erguem! São canções...
Mas de guerra... e são vozes de rebate!

Ergue-te, pois, soldado do Futuro,
E dos raios de luz do sonho puro,
Sonhador, faze espada de combate.
(Antero de Quental, Sonetos. Lisboa: Imprensa Nacional, 1994)

A um Poeta
Longe do estéril turbilhão da rua,
Beneditino escreve! No aconchego
Do claustro, na paciência e no sossego,
Trabalha e teima, e lima , e sofre, e sua!

Mas que na forma se disfarce o emprego
Do esforço: e trama viva se construa
De tal modo, que a imagem fique nua
Rica mas sóbria, como um templo grego

Não se mostre na fábrica o suplicio
Do mestre. E natural, o efeito agrade
Sem lembrar os andaimes do edifício:

Porque a Beleza, gêmea da Verdade
Arte pura, inimiga do artifício,
É a força e a graça na simplicidade.
(Olavo Bilac. Obra reunida. Rio de Janeiro. Nova Aguiar, 1996)

TAREFA:
Responda às questões abaixo:
a) Justifique a escolha dos títulos dos textos 
b) Sabendo-se que Bilac (Brasil) e Antero de Quental (Portugal) viveram na mesma época histórica, é possível afirmar que há semelhança, quanto ao estilo, entre seus texto?
c) Quanto ao assunto, qual é a diferença entre os dois textos?
d)     Qual a função da linguagem predominante nos textos acima?

terça-feira, 9 de maio de 2017

Trabalho de LP e PA

https://www.youtube.com/watch?v=L24HJYnkC_0

Instalando As normas da ABNT (nas referências) do seu word.

NIVELAMENTO

SEMANA 01
ARTIGO  01 - 6m
ARTIGO 02  - 12m

SEMANA 02 
EXERCÍCIOS
SUBSTANTIVO 01 - 14m
SUBSTANTIVO 02 - 19m

SEMANA 03
SUBSTANTIVO 03 - 8m
SUBSTANTIVO 04A - 12m

SEMANA 04
SUBSTANTIVO 04B - 9m
SUBSTANTIVO 05 - 13m

SEMANA 05
SUBSTANTIVO 06  -17m
SUBSTANTIVO 07 - 6m

SEMANA 06
SUBSTANTIVO 08 - 14m
QUESTÃO 27
QUESTÃO 39

SEMANA 07
QUESTÃO 81
QUESTÃO 110


SEMANA 08

SEMANA 09

SEMANA 10

SEMANA 11

SEMANA 12

SEMANA 13


SEMANA 
LETRA "A", QUANDO É ARTIGO PRONOME OU PREPOSIÇÃO


REFERÊNCIA: CANAL DO ENSINO - LÍNGUA PORTUGUESA


quarta-feira, 19 de abril de 2017

CANTIGAS

1ºC Cantiga contemporânea 
CANTIGAS LÍRICAS
Cantiga de  AMIGO
Laís - Eu So Queria Te Amar (Corre)


Cantiga de AMOR - Manu Gavassi - Planos impossíveis










CANTIGAS SATÍRICAS
ESCÁRNIO
EU SÓ RESPEITO A MIM   - DIEGO MARACHIN E KIKA SIMONE
https://www.vagalume.com.br/phosphurus/cantigas-de-maldizer.html

MALDIZER
https://www.letras.mus.br/os-cacadores/395648/


CANTIGA DE MALDIZER





CANTIGA DE ESCÁRNIO













terça-feira, 18 de abril de 2017

Modalizadores do discurso

Quando você quer apenas ligar ou acrescentar um elemento ou ideia à argumentação:
Use: também, como, bem como, ainda, nem, não apenas, não somente, tão somente, e, ao.
Exemplos:
• Ao aprovar o projeto da Lei Maria da Penha, o Congresso não apenas cumpriu o seu papel como acompanhou demandas importantes da sociedade.
• Ao aprovar o projeto da Lei Maria da Penha, o Congresso apenas cumpriu o seu papel ao acompanhar demandas da sociedade.
Quando você quer inserir uma ressalva, quando você admite algo.
Use: embora; não obstante, se bem que; posto que; ainda que, mesmo que, conquanto, apesar de, a despeito de.
Exemplos:
• A Lei Maria da Penha foi um avanço, embora o número de homicídios de mulheres não tenha diminuído e seja necessário avançar mais.
• A Lei Maria da Penha é um avanço, apesar de o número de homicídios de mulheres não ter diminuído.

Quando você quer contrapor um elemento (ou ideia) a outro (a), o que chamamos de adversar.
Use: mas, porém, contudo, todavia, entretanto, no entanto, não obstante, mesmo assim.
Exemplos:
• A aprovação da Lei Maria da Penha foi um avanço jurídico importante, porém ela não gerou todos os resultados esperados.
• A aprovação da Lei Maria da Penha foi um avanço jurídico importante. Entretanto, ela não surtiu todos os resultados esperados.
• A conexão pode ser feita com um advérbio: Infelizmente, ela não surtiu todos os resultados esperados.

Quando você quer indicar uma ideia ou fato como consequência de outro e quer concluir um argumento:
Use: portanto, com isso, por isso, logo, assim, dessa forma, tão quanto, tanto quanto, para tal, para tanto.
Exemplos:
• A Lei Maria da Penha fez aumentar o número de mulheres que denunciam seus agressores. Portanto, ela tem um aspecto positivo que não deve ser menosprezado.
• A Lei Maria da Penha ampliou o número de agressores denunciados. Logo, a lei teve esse resultado positivo.
• A Lei Maria da Penha não conseguiu diminuir a violência. Para tal será necessário avançar mais e mobilizar novo debate em sociedade.


CONECTIVOS

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Projeto "O que você faz para ser feliz"


Sensibilização:

Prazeres

O primeiro olhar da janela de manhã
O velho livro de novo encontrado
Rostos animados
Neve, o mudar das estações
O jornal
O cão
A dialéctica
Tomar duche, nadar
Velha música
Sapatos cómodos
Compreender
Música nova
Escrever, plantar
Viajar, cantar
Ser amável.
Bertold Brecht, in 'Do Pobre B.B.' 







PRODUTO DE 2016

PRODUTO 2016:

Produção do 1º texto - individual
Produção do 2º texto - 1º grupo
Produção do 3º texto - 2º grupo
Produção do vídeo

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Modalidades Organizativas

ATIVIDADE PERMANENTE

  • O que é: Trabalho didático realizado regularmente (diária, semanal ou quinzenalmente), como ler para os alunos, organizar rodas de conversa e reservar uma aula da semana para a produção de pinturas e desenhos no ateliê.
  • Objetivos: Familiarizar a turma com um conteúdo e formar hábitos. Ao fazer leituras diárias, por exemplo, as crianças aprendem sobre a linguagem escrita e desenvolvem comportamentos leitores.
  • Organização: Prever objetivos, conteúdos, duração da atividade, materiais necessários e como será feita a avaliação.
  • Como usar: Realizar atividades permanentes não significa fazer sempre a mesma coisa. A proposta deve ser empregada com regularidade durante o ano ou um semestre e oferecer novos desafios (rodas de leitura em que livros cada vez mais difíceis são lidos pelo professor).

SEQUÊNCIA DIDÁTICA

  • O que é: Série de atividades envolvendo um mesmo conteúdo, com ordem crescente de dificuldade, planejadas para possibilitar o desenvolvimento da próxima.
  • Objetivo: Ensinar conteúdos que exijam tempo para aprender e aprofundamento gradual, como o reconhecimento das características de uma paisagem brasileira em Geografia, uma série de experiências para observar a ação de micro-organismos em Ciências ou a leitura da obra de um autor em Língua Portuguesa.
  • Organização: Prever a ordem em que as atividades serão propostas, os objetivos, os conteúdos, os materiais, as etapas do desenvolvimento, a duração e a maneira como será feita a avaliação.
  • Como usar: A maioria dos conteúdos exige tempo para aprender. Por isso, a sequência didática é a modalidade organizativa mais presente no planejamento. Escolher os conteúdos mais importantes, organizar a série, garantindo a continuidade, e distribuí-los durante o ano. O número de atividades de cada sequência é variado, assim como o tempo de duração (ambos dependem do objetivo e da resposta da turma às propostas).

PROJETO DIDÁTICO

  • O que é: Conjunto de ações para a elaboração de um produto final que tenha uso pela comunidade escolar. Uma de suas características é envolver a turma em todas as etapas do planejamento.
  • Objetivo: Reunir conteúdos abrangentes, atingindo propósitos didáticos e sociais. Um projeto de leitura e escrita, por exemplo, em que os estudantes fazem um livro de receitas ensina a ler e escrever e trabalha com valores nutricionais. Pode ter como meta mostrar à comunidade como aproveitar as frutas regionais.
  • Organização: Prever os momentos de planejamento e de discussão em grupo e os de trabalhos individuais. Colocar justificativas, aprendizagens desejadas,etapas do desenvolvimento, produção, maneiras de divulgar o produto final, duração e avaliação final.
  • Como usar: A duração é variada, mas sempre ocupa dois meses ou mais. Por isso, o ideal é propor um ou dois por ano para cada turma. Desenvolve-se o conjunto das atividades do projeto sem abandonar as atividades permanentes e as sequências didáticas.

Registros de classe

Notas, pautas de observação e diários ajudam a acompanhar o desenvolvimento dos alunos e são uma fonte de aprendizado para o professor. Juliana Diamente, que dá aulas para a 1ª série da EE Professor Flávio Xavier Arantes, em Guarulhos, na Grande São Paulo, elabora pautas de observação ao menos seis vezes por ano: "Com elas, consigo verificar a evolução da turma ao longo do ano e ganho dados para fazer avaliações". Conheça os modelos de registros de classe:

NOTAS

  • O que são: Anotações curtas feitas nas aulas, como frases, comentários dos alunos, perguntas e dúvidas levantadas por eles, conteúdos a serem pesquisados, informações para checagem etc.
  • Objetivo: Lembrar momentos importantes e não perder dados significativos do processo de ensino e aprendizagem.
  • Organização: Deixar sobre a mesa uma prancheta, sulfites e canetas. Não é preciso se preocupar com a ordem nem com a profundidade dos apontamentos.
  • Como usar: Elas serão a base de planejamentos futuros, relatórios mais detalhados sobre projetos ou atividades e dos relatórios de avaliação dos alunos.

PAUTAS DE OBSERVAÇÃO

  • O que são: Tabelas de duas ou mais entradas, nas quais aparecem o nome dos alunos e os conteúdos didáticos ou atitudinais a ser observados.
  • Objetivo: Acompanhar a evolução do aprendizado de um ou mais conteúdos ao longo do ano.
  • Organização: Tabular os nomes e os as pectos a serem analisados. Legendar a tabela com conceitos ou cores referentes a um estágio de aprendizagem. Preencher durante ou logo após a atividade.
  • Como usar: De tempos em tempos, é preciso fazer a análise e a comparação das tabelas. Quanto maior a frequência com que elas forem preenchidas e analisadas, mais informações se tem sobre o avanço de cada estudante e mais rápido é possível fazer intervenções.

DIÁRIOS DE AULA

  • O que são: Narrativas sobre o que aconteceu na sala de aula, tanto em relação a comentários e produções dos alunos como em relação a si mesmo (impressões e ref lexões). 
  • Objetivos: Ref letir sobre o planejamento e sua adequação às necessidades dos alunos, ter pistas sobre os rumos que se pode tomar, documentar o trabalho feito com a turma e aprofundar ideias para serem usadas no futuro.
  • Organização: Ter um caderno reservado para o diário (ou um arquivo no computador) e escrever nele logo depois da aula, ou nos dias posteriores, para que os fatos não sejam esquecidos. O mais importante é registrar o maior número possível de dados, sempre ref letindo e avaliando a prática pedagógica e não apenas listando as atividades.
  • Como usar: Uma das principais utilidades é o compartilhamento com o coordenador pedagógico, que poderá, com base nas ref lexões do docente, ajudar a reavaliar sua prática pedagógica. O ideal é escrever com frequência e recorrer aos diários quando planejar e avaliar. 

Avaliação

Reunir o material produzido por cada aluno e relembrar as vivências em sala para fazer um relatório requer dedicação. A professora Simone Figliolino, da EMEF Zilka Salaberry de Carvalho, em São Paulo, vê nesse documento que prepara regularmente para mandar aos pais uma forma de relacionar a teoria com a prática: "Depois de algum tempo, retorno a eles e aprendo com as situações".
RELATÓRIO
  • O que é: Avaliação do desempenho de uma criança ou do grupo durante um determinado período.
  • Objetivo: Documentar o desempenho dos estudantes para comunicar às famílias as aprendizagens.
  • Organização: Pautas de observação, notas e diários são fundamentais na hora de elaborar os relatórios. Nas escolas onde não há um modelo, uma dica é começar com um breve relato do que foi trabalhado com a turma naquele período. Em seguida, para cada aluno, relatar como foi o avanço global em relação aos objetivos iniciais. Vale lembrar que elementos como falas e desenhos enriquecem o registro e facilitam o diálogo com a família. O coordenador pedagógico deve aparecer como corresponsável pelo documento, com quem o professor compartilha o material e ref lete sobre ele.
  • Como usar: Cada escola trabalha com uma periodicidade para enviar a avaliação aos pais - bimestral, trimestral ou semestralmente. Em todos os casos, é preciso começar a produção dos relatórios com antecedência, pois o detalhamento requer tempo e reflexão.
Referência: Revista Nova Escola

DEBATE - AVALIAÇÃO

3º B AVALIAÇÃO DOS GRUPOS

AVALIAÇÃO DO DEBATE

3ºC - AVALIAÇÃO DOS GRUPOS

quarta-feira, 29 de março de 2017

Atividade de sala BeatriZ e Manoel 1ºB

Pesquisar no site G1 títulos de notícias e observação do tempo verbal
Escolher uma notícia
1. Observação do tempo verbal no corpo da notícia
2. Observação do LEAD

Dê um título à notícia abaixo

A Polícia Civil prendeu, na manhã desta quarta-feira (29) em Ponta Grossa, 
na região dos Campos Gerais do Paraná, o último foragido da Operação 
Carga Pesada. A operação foi deflagrada em abril de 2016 e investiga um 
grande desvio de grãos da Cooperativa Castrolanda.  Ao todo, nove pessoas 
foram presas até agora.

Atividade de sala de aula 1ºB - texto jornalístico

Pesquisar no site G1 títulos de notícias e observação do tempo verbal
Escolher uma notícia
1. Observação do tempo verbal no corpo da notícia
2. Observação do LEAD

Dê um título à notícia abaixo

Câmeras de segurança mostram o momento em que alunos e professores foram vítimas de um arrastão dentro de uma escola estadual, na terça-feira (28), em Abadia de Goiás, na Região Metropolitana da capital. O vídeo mostra os alunos serem revistados e ter objetos de valor roubados (assista acima). De acordo com a Polícia Civil, agentes foram até a unidade para ouvir testemunhas e colher pistas.


terça-feira, 28 de março de 2017

Atividade de sala - texto jornalísticos - 1ºA


Dê uma legenda à foto
Disponível em: http://g1.globo.com/ultimas-noticias.html 28/03/2017

Atividade de sala de aula - textos jornalístico - 1ºA

Pesquisar no site G1 títulos de notícias e observação do tempo verbal
Escolher uma notícia
1. Observação do tempo verbal no corpo da notícia
2. Observação do LEAD

Dê um título à notícia abaixo

Um casal foi preso nesta segunda-feira (27) por falsificação de documentos e estelionato em Lavras (MG). Segundo a Polícia Militar, a dupla, natural de Belo Horizonte (MG), foi localizada depois de uma tentativa de compra em uma loja no Centro. O gerente da loja desconfiou da validade de um documento apresentado pelo casal e chamou a polícia. Com o casal foram apreendidos vários registros profissionais falsos e papeis para registro de identidade em branco.

http://g1.globo.com/mg/sul-de-minas/noticia/2017/03/casal-e-detido-com-documentos-falsificados-no-centro-de-lavras-mg.html
Faça resumo do texto abaixo

Da Arte de Interpretar Textos 


A literatura é a arte de recriar através da língua escrita. Sendo assim, temos vários tipos de gêneros textuais, formas de escrita; mas a grande dificuldade encontrada pelas pessoas é a interpretação de textos. Muitos dizem que não sabem interpretar, ou que é muito difícil. Concordo. Se você tem pouca leitura, consequentemente terá pouca argumentação, pouca visão, pouco ponto de vista e um grande medo de interpretar. A interpretação é o alargamento dos horizontes. E esse alargamento acontece justamente quando há leitura. Somos fragmentos de nossos escritos, de nossos pensamentos, de nossas histórias, muitas vezes contadas por outros. Quantas vezes você não leu algo e pensou:"Nossa, ele disse tudo que eu penso." Com certeza, várias vezes. Temos aí a identificação de nossos pensamentos com os pensamentos dos autores, mas para que aconteça, pelo menos não tenha preguiça de pensar, refletir, formar ideias e escrever quando puder e quiser. A prática das escolas em relação à escrita e interpretação tem mudado, mas a passos lentos, aliás como tudo que acontece na educação. Ainda temos professores em sala de aula que cortam a veia literária de seus alunos com comentários medíocres, que permitem apenas uma interpretação possível, a que vem no livro do professor com a tarja "uso do professor/venda proibida". Tornar-se, portanto, alguém que escreve e que lê em nosso país é uma tarefa árdua, mas acredite, valerá a pena para sua vida futura. E, mesmo, que você diga que interpretar é difícil, você exercita isso a todo momento. Exercita através de sua leitura de mundo. Você sabe, por exemplo, quando alguém lhe manda um olhar de desaprovação mesmo sem ter dito nada. Sabe, quando a menina ou o menino está a fim de você numa boate pela troca de olhares. A todo e qualquer tempo, em nossas vidas, interpretamos, argumentamos, expomos nossos pontos de vista. Mas, basta o (a) professor(a) dizer "Vamos agora interpretar esse texto" para que as pessoas se calem. E ninguém sabe o que calado quer, pois ao se calar você perde oportunidades valiosas de interagir e crescer no conhecimento. Perca o medo de expor suas ideias. Faça isso como um exercício diário mesmo e verá que antes que pense, o medo terá ido embora. Vou colocar aqui algumas dicas para você interpretar um texto: 
1. O autor escreveu com uma intenção - tentar descobrir qual é ela é a chave. 
2. Leia todo o texto uma primeira vez de forma despreocupada - assim você verá apenas os aspectos superficiais primeiro 
3. Na segunda leitura observe os detalhes, visualize em sua mente o cenário, os personagens - Quanto mais real for a leitura na sua mente, mais fácil será para interpretar o texto. 
4. Duvide do(a) autor(a) - Leia as entrelinhas,perceba o que o(a) autor(a) te diz sem escrever no texto. 72 
5. Não tenha medo de opinar - Já vi em sala de aula muitos alunos terem medo de dizer o que achavam e a resposta estaria correta se tivessem dito. 
6. Visualize vários caminhos, várias opções e interpretações - Só não viaje muito na interpretação.Veja os caminhos apontados pela escrita do(a) autor(a). Apegue-se aos caminhos que lhe são mostrados. 
7. Identifique as características físicas e psicológicas dos personagens - Se um determinado personagem tem como característica ser mentiroso, por exemplo, o que ele diz no texto poderá ser mentira não é mesmo? Analisar e identificar os personagens são pontos necessário para uma boa interpretação de texto. 
8. Observe a linguagem, o tempo e espaço - A sequência dos acontecimentos, o feedback, conta muito na hora de interpretar. 
9. Analise os acontecimentos de acordo com a época do texto - É importante que você saiba ou pesquise sobre a época narrada no texto, assim, certas contradições ou estranhamentos vistos por você podem ser apenas a cultura da época sendo demonstrada. 
10.Leia quantas vezes achar que deve - Não entendeu? Leia de novo. Nem todo dia estamos concentrados e a rapidez na leitura vem com o hábito. Bem, não digo que seguindo essas dicas você agora interpretará todo texto que ler, mas já é um caminho. 
Patrícia Otoni
Disponível em http://www.analisedetextos.com.br/ . Acesso em 25 de março de 2014, às 20h.