terça-feira, 16 de maio de 2017

LITERATURA - comparando obras

EXERCÍCIO 01                                                                                   
Leia com atenção os textos abaixo:

A UM POETA
Tu, que dormes, espírito sereno,
Posto à sombra dos cedros seculares,
Como um levita à sombra dos altares,
Longe da luta e do fragor terreno,

Acorda! é tempo! O sol, já alto e pleno,
Afugentou as larvas tumulares...
Para surgir do seio desses mares,
Um mundo novo espera só um aceno...

Escuta! é a grande voz das multidões!
São teus irmãos, que se erguem! São canções...
Mas de guerra... e são vozes de rebate!

Ergue-te, pois, soldado do Futuro,
E dos raios de luz do sonho puro,
Sonhador, faze espada de combate.
(Antero de Quental, Sonetos. Lisboa: Imprensa Nacional, 1994)

A um Poeta
Longe do estéril turbilhão da rua,
Beneditino escreve! No aconchego
Do claustro, na paciência e no sossego,
Trabalha e teima, e lima , e sofre, e sua!

Mas que na forma se disfarce o emprego
Do esforço: e trama viva se construa
De tal modo, que a imagem fique nua
Rica mas sóbria, como um templo grego

Não se mostre na fábrica o suplicio
Do mestre. E natural, o efeito agrade
Sem lembrar os andaimes do edifício:

Porque a Beleza, gêmea da Verdade
Arte pura, inimiga do artifício,
É a força e a graça na simplicidade.
(Olavo Bilac. Obra reunida. Rio de Janeiro. Nova Aguiar, 1996)

TAREFA:
Responda às questões abaixo:
a) Justifique a escolha dos títulos dos textos 
b) Sabendo-se que Bilac (Brasil) e Antero de Quental (Portugal) viveram na mesma época histórica, é possível afirmar que há semelhança, quanto ao estilo, entre seus texto?
c) Quanto ao assunto, qual é a diferença entre os dois textos?
d)     Qual a função da linguagem predominante nos textos acima?

terça-feira, 9 de maio de 2017

Trabalho de LP e PA

https://www.youtube.com/watch?v=L24HJYnkC_0

Instalando As normas da ABNT (nas referências) do seu word.

NIVELAMENTO

SEMANA 01
ARTIGO  01 - 6m
ARTIGO 02  - 12m

SEMANA 02 
EXERCÍCIOS
SUBSTANTIVO 01 - 14m
SUBSTANTIVO 02 - 19m

SEMANA 03
SUBSTANTIVO 03 - 8m
SUBSTANTIVO 04A - 12m

SEMANA 04
SUBSTANTIVO 04B - 9m
SUBSTANTIVO 05 - 13m

SEMANA 05
SUBSTANTIVO 06  -17m
SUBSTANTIVO 07 - 6m

SEMANA 06
SUBSTANTIVO 08 - 14m
QUESTÃO 27
QUESTÃO 39

SEMANA 07
QUESTÃO 81
QUESTÃO 110


SEMANA 08

SEMANA 09

SEMANA 10

SEMANA 11

SEMANA 12

SEMANA 13


SEMANA 
LETRA "A", QUANDO É ARTIGO PRONOME OU PREPOSIÇÃO


REFERÊNCIA: CANAL DO ENSINO - LÍNGUA PORTUGUESA


quarta-feira, 19 de abril de 2017

CANTIGAS

1ºC Cantiga contemporânea 
CANTIGAS LÍRICAS
Cantiga de  AMIGO
Laís - Eu So Queria Te Amar (Corre)


Cantiga de AMOR - Manu Gavassi - Planos impossíveis










CANTIGAS SATÍRICAS
ESCÁRNIO
EU SÓ RESPEITO A MIM   - DIEGO MARACHIN E KIKA SIMONE
https://www.vagalume.com.br/phosphurus/cantigas-de-maldizer.html

MALDIZER
https://www.letras.mus.br/os-cacadores/395648/


CANTIGA DE MALDIZER





CANTIGA DE ESCÁRNIO













terça-feira, 18 de abril de 2017

Modalizadores do discurso

Quando você quer apenas ligar ou acrescentar um elemento ou ideia à argumentação:
Use: também, como, bem como, ainda, nem, não apenas, não somente, tão somente, e, ao.
Exemplos:
• Ao aprovar o projeto da Lei Maria da Penha, o Congresso não apenas cumpriu o seu papel como acompanhou demandas importantes da sociedade.
• Ao aprovar o projeto da Lei Maria da Penha, o Congresso apenas cumpriu o seu papel ao acompanhar demandas da sociedade.
Quando você quer inserir uma ressalva, quando você admite algo.
Use: embora; não obstante, se bem que; posto que; ainda que, mesmo que, conquanto, apesar de, a despeito de.
Exemplos:
• A Lei Maria da Penha foi um avanço, embora o número de homicídios de mulheres não tenha diminuído e seja necessário avançar mais.
• A Lei Maria da Penha é um avanço, apesar de o número de homicídios de mulheres não ter diminuído.

Quando você quer contrapor um elemento (ou ideia) a outro (a), o que chamamos de adversar.
Use: mas, porém, contudo, todavia, entretanto, no entanto, não obstante, mesmo assim.
Exemplos:
• A aprovação da Lei Maria da Penha foi um avanço jurídico importante, porém ela não gerou todos os resultados esperados.
• A aprovação da Lei Maria da Penha foi um avanço jurídico importante. Entretanto, ela não surtiu todos os resultados esperados.
• A conexão pode ser feita com um advérbio: Infelizmente, ela não surtiu todos os resultados esperados.

Quando você quer indicar uma ideia ou fato como consequência de outro e quer concluir um argumento:
Use: portanto, com isso, por isso, logo, assim, dessa forma, tão quanto, tanto quanto, para tal, para tanto.
Exemplos:
• A Lei Maria da Penha fez aumentar o número de mulheres que denunciam seus agressores. Portanto, ela tem um aspecto positivo que não deve ser menosprezado.
• A Lei Maria da Penha ampliou o número de agressores denunciados. Logo, a lei teve esse resultado positivo.
• A Lei Maria da Penha não conseguiu diminuir a violência. Para tal será necessário avançar mais e mobilizar novo debate em sociedade.


CONECTIVOS

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Projeto "O que você faz para ser feliz"


Sensibilização:

Prazeres

O primeiro olhar da janela de manhã
O velho livro de novo encontrado
Rostos animados
Neve, o mudar das estações
O jornal
O cão
A dialéctica
Tomar duche, nadar
Velha música
Sapatos cómodos
Compreender
Música nova
Escrever, plantar
Viajar, cantar
Ser amável.
Bertold Brecht, in 'Do Pobre B.B.' 







PRODUTO DE 2016

PRODUTO 2016:

Produção do 1º texto - individual
Produção do 2º texto - 1º grupo
Produção do 3º texto - 2º grupo
Produção do vídeo

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Modalidades Organizativas

ATIVIDADE PERMANENTE

  • O que é: Trabalho didático realizado regularmente (diária, semanal ou quinzenalmente), como ler para os alunos, organizar rodas de conversa e reservar uma aula da semana para a produção de pinturas e desenhos no ateliê.
  • Objetivos: Familiarizar a turma com um conteúdo e formar hábitos. Ao fazer leituras diárias, por exemplo, as crianças aprendem sobre a linguagem escrita e desenvolvem comportamentos leitores.
  • Organização: Prever objetivos, conteúdos, duração da atividade, materiais necessários e como será feita a avaliação.
  • Como usar: Realizar atividades permanentes não significa fazer sempre a mesma coisa. A proposta deve ser empregada com regularidade durante o ano ou um semestre e oferecer novos desafios (rodas de leitura em que livros cada vez mais difíceis são lidos pelo professor).

SEQUÊNCIA DIDÁTICA

  • O que é: Série de atividades envolvendo um mesmo conteúdo, com ordem crescente de dificuldade, planejadas para possibilitar o desenvolvimento da próxima.
  • Objetivo: Ensinar conteúdos que exijam tempo para aprender e aprofundamento gradual, como o reconhecimento das características de uma paisagem brasileira em Geografia, uma série de experiências para observar a ação de micro-organismos em Ciências ou a leitura da obra de um autor em Língua Portuguesa.
  • Organização: Prever a ordem em que as atividades serão propostas, os objetivos, os conteúdos, os materiais, as etapas do desenvolvimento, a duração e a maneira como será feita a avaliação.
  • Como usar: A maioria dos conteúdos exige tempo para aprender. Por isso, a sequência didática é a modalidade organizativa mais presente no planejamento. Escolher os conteúdos mais importantes, organizar a série, garantindo a continuidade, e distribuí-los durante o ano. O número de atividades de cada sequência é variado, assim como o tempo de duração (ambos dependem do objetivo e da resposta da turma às propostas).

PROJETO DIDÁTICO

  • O que é: Conjunto de ações para a elaboração de um produto final que tenha uso pela comunidade escolar. Uma de suas características é envolver a turma em todas as etapas do planejamento.
  • Objetivo: Reunir conteúdos abrangentes, atingindo propósitos didáticos e sociais. Um projeto de leitura e escrita, por exemplo, em que os estudantes fazem um livro de receitas ensina a ler e escrever e trabalha com valores nutricionais. Pode ter como meta mostrar à comunidade como aproveitar as frutas regionais.
  • Organização: Prever os momentos de planejamento e de discussão em grupo e os de trabalhos individuais. Colocar justificativas, aprendizagens desejadas,etapas do desenvolvimento, produção, maneiras de divulgar o produto final, duração e avaliação final.
  • Como usar: A duração é variada, mas sempre ocupa dois meses ou mais. Por isso, o ideal é propor um ou dois por ano para cada turma. Desenvolve-se o conjunto das atividades do projeto sem abandonar as atividades permanentes e as sequências didáticas.

Registros de classe

Notas, pautas de observação e diários ajudam a acompanhar o desenvolvimento dos alunos e são uma fonte de aprendizado para o professor. Juliana Diamente, que dá aulas para a 1ª série da EE Professor Flávio Xavier Arantes, em Guarulhos, na Grande São Paulo, elabora pautas de observação ao menos seis vezes por ano: "Com elas, consigo verificar a evolução da turma ao longo do ano e ganho dados para fazer avaliações". Conheça os modelos de registros de classe:

NOTAS

  • O que são: Anotações curtas feitas nas aulas, como frases, comentários dos alunos, perguntas e dúvidas levantadas por eles, conteúdos a serem pesquisados, informações para checagem etc.
  • Objetivo: Lembrar momentos importantes e não perder dados significativos do processo de ensino e aprendizagem.
  • Organização: Deixar sobre a mesa uma prancheta, sulfites e canetas. Não é preciso se preocupar com a ordem nem com a profundidade dos apontamentos.
  • Como usar: Elas serão a base de planejamentos futuros, relatórios mais detalhados sobre projetos ou atividades e dos relatórios de avaliação dos alunos.

PAUTAS DE OBSERVAÇÃO

  • O que são: Tabelas de duas ou mais entradas, nas quais aparecem o nome dos alunos e os conteúdos didáticos ou atitudinais a ser observados.
  • Objetivo: Acompanhar a evolução do aprendizado de um ou mais conteúdos ao longo do ano.
  • Organização: Tabular os nomes e os as pectos a serem analisados. Legendar a tabela com conceitos ou cores referentes a um estágio de aprendizagem. Preencher durante ou logo após a atividade.
  • Como usar: De tempos em tempos, é preciso fazer a análise e a comparação das tabelas. Quanto maior a frequência com que elas forem preenchidas e analisadas, mais informações se tem sobre o avanço de cada estudante e mais rápido é possível fazer intervenções.

DIÁRIOS DE AULA

  • O que são: Narrativas sobre o que aconteceu na sala de aula, tanto em relação a comentários e produções dos alunos como em relação a si mesmo (impressões e ref lexões). 
  • Objetivos: Ref letir sobre o planejamento e sua adequação às necessidades dos alunos, ter pistas sobre os rumos que se pode tomar, documentar o trabalho feito com a turma e aprofundar ideias para serem usadas no futuro.
  • Organização: Ter um caderno reservado para o diário (ou um arquivo no computador) e escrever nele logo depois da aula, ou nos dias posteriores, para que os fatos não sejam esquecidos. O mais importante é registrar o maior número possível de dados, sempre ref letindo e avaliando a prática pedagógica e não apenas listando as atividades.
  • Como usar: Uma das principais utilidades é o compartilhamento com o coordenador pedagógico, que poderá, com base nas ref lexões do docente, ajudar a reavaliar sua prática pedagógica. O ideal é escrever com frequência e recorrer aos diários quando planejar e avaliar. 

Avaliação

Reunir o material produzido por cada aluno e relembrar as vivências em sala para fazer um relatório requer dedicação. A professora Simone Figliolino, da EMEF Zilka Salaberry de Carvalho, em São Paulo, vê nesse documento que prepara regularmente para mandar aos pais uma forma de relacionar a teoria com a prática: "Depois de algum tempo, retorno a eles e aprendo com as situações".
RELATÓRIO
  • O que é: Avaliação do desempenho de uma criança ou do grupo durante um determinado período.
  • Objetivo: Documentar o desempenho dos estudantes para comunicar às famílias as aprendizagens.
  • Organização: Pautas de observação, notas e diários são fundamentais na hora de elaborar os relatórios. Nas escolas onde não há um modelo, uma dica é começar com um breve relato do que foi trabalhado com a turma naquele período. Em seguida, para cada aluno, relatar como foi o avanço global em relação aos objetivos iniciais. Vale lembrar que elementos como falas e desenhos enriquecem o registro e facilitam o diálogo com a família. O coordenador pedagógico deve aparecer como corresponsável pelo documento, com quem o professor compartilha o material e ref lete sobre ele.
  • Como usar: Cada escola trabalha com uma periodicidade para enviar a avaliação aos pais - bimestral, trimestral ou semestralmente. Em todos os casos, é preciso começar a produção dos relatórios com antecedência, pois o detalhamento requer tempo e reflexão.
Referência: Revista Nova Escola

DEBATE - AVALIAÇÃO

3º B AVALIAÇÃO DOS GRUPOS