terça-feira, 22 de novembro de 2016

https://forms.office.com/Pages/ResponsePage.aspx?id=3C52UFD5SE-0Oew0IoJgDLnHRkImx0xBihzDrkkUvUdUNzlOSDg0T0lBT0RWTThYUjI0Q1dLNlo5RC4u

domingo, 20 de novembro de 2016

Filmes sobre racismo.

http://educacaointegral.org.br/reportagens/13-filmes-que-discutem-racismo-na-educacao/

domingo, 13 de novembro de 2016

https://68.media.tumblr.com/b84da83ef7ca4286b603541cfa065ed6/tumblr_o42l33KbkQ1rasnq9o1_400.gif

domingo, 6 de novembro de 2016

VERBOS

VERBOS 1ºD
VERBOS 1ºB
VERBOS 1º A
VERBOS 1ºC

sed.educacao.sp.gov.br
login :rasp
1º acesso data de nascimento

rasp@aluno.educacao.sp.gov.br



sábado, 5 de novembro de 2016


MOVIMENTOS LITERÁRIOS

“Justamente pela ausência de autores e livros obrigatórios, indicar apenas um movimento seria impossível”, diz o professor Cruz. No entanto, o aluno que deseja se preparar bem para a prova de linguagens deve estudar os movimentos literários, pois sabendo as características de cada um deles fica fácil identificar à qual movimento o poema pertence. Caso tenha pouco tempo, o aluno pode estudar apenas os pontos centrais. “O Enem não testa os conhecimentos avançados dos candidatos com os poemas, mas sim a visão panorâmica sobre o tema.”

ESTRUTURAS

O professor explicou que “o segredo para entender poemas é ver a forma como eles se estruturam, e não o significado de palavras individuais”. Portanto, é essencial que os candidatos estejam preparados para analisar a estrutura dos poemas e entender qual foi a intenção do autor e até mesmo identificar o movimento ao qual ele pertence. Com isso, percebe-se novamente a importância de conhecer de forma geral os movimentos literários, pois sabendo os pontos principais essa identificação se torna muito mais fácil.

AUTORES

Caso o aluno queira estudar para o Enem 2014 por meio de poemas de diversos autores, o professor Cruz indica seis: Oswald de Andrade, Mario de Andrade e Carlos Drummond de Andrade, para que o aluno consiga entender na prática o que foi o movimento do Modernismo; Gonçalves Dias,Álvares de Azevedo e Castro Alves, a fim de que o estudante tenha contato com, respectivamente, a primeira, segunda e terceira fase do Romantismo.

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Literatura de cordel


Literatura de cordel

"A literatura de cordel é assim chamada pelo fato dos folhetos serem expostos pendurados em barbantes e vendidos em feiras em Portugal. 
No nordeste, o nome dado é "folhetos" ou "romance". No Brasil, muitos cordelistas não perpetuaram a tradição de pendurar folhetos em barbantes e vendiam seus folhetos em bancas, no chão, etc.
A "literatura de cordel nordestina" (folhetos ou romances) ,  manifestação da cultura popular tradicional, nasceu no interior do nordeste, espalhou-se por todo o país, pelo processo migratório do sertanejo-nordestino. 
De conteúdo muito diverso, essa literatura oral que abrange inúmeras modalidades, comemorou cem anos de no Brasil. 
O folheto é a forma tradicional de impressão. As capas, geralmente são feitas em xilogravura. Não devemos confundir esta manifestação brasileira com aquela que era feita em Portugal que tinha este nome por ser dependurada em barbantes.
O folheto brasileiro é escrito em  verso. Muitos tem xilogravuras, outros não. Embora a xilogravura esteja umbilicalmente ligada aos folhetos de cordel.


O Cangaceiro, filme realizado pelos alunos de Design da UFPE, conta a história de Lampião, personagem histórico da Região Nordeste. Baseado em literatura de cordel, os versos narram seus infortúnios e seus amores, seu triunfo e seu declínio, e até seus acordos com o capeta. A animação mostra um pouco dos mitos e da fantasia que envolve o imaginário acerca do personagem.


CONTEXTUALIZAÇÃO DAS HISTÓRIAS
AMBIENTAÇÃO:
Veredas sertanejas
Caatinga
"Então, a travessia das veredas sertanejas é mais exaustiva que a de uma estepe nua. Nesta, ao menos, o viajante tem o desafogo de um horizonte largo e a perspectiva das planuras francas. Ao passo que a outra o afoga; abrevia-lhe o olhar; agride-o e estonteia-o; enlaça-o na trama espinescente e não o atrai; repulsa-o com as folhas urticantes, com o espinho, com os gravetos estalados em lanças, e desdobra-se-lhe na frente léguas e léguas, imutável no aspecto desolado; árvore sem folhas, de galhos estorcidos e secos, revoltos, entrecruzados apontando rijamente no espaço ou estirando-se flexuosos palo solo, lembrando um bracejar imenso, de tortura, da flora agonizante…"

Cunha. E. Os sertões. Disponível em: http://pt. scribd.com.
O trecho acima contextualiza o ambiente das produções : sistema biogeográfico da Caatinga, onde se tem formação de xerófilas, marcantes pela vegetação cactácea, adaptada ao clima seco e quente do semi-árido brasileiro.
Guerra de Canudos
Antonio Conselheiro
Cangaceiros
Antonio Silvino
Lampião




PAVÃO MISTERIOSO de José Camelo de Melo Rezende.
A moça que danço depois de morta Borges
O Matuto no Cinema (Quirino)
Padim de Juazeiro (Rodrigo Macedo)
O homem que queria enganar a morte - filme de Josafá Ferreira Duarte - produzido em junho de 2014 na Comunidade dos Salgado dos Mendes em Forquilha/CE

Modalidades da cantoria de repente e da literatura de cordel


O cego Aderaldo de Raquel de Queiroz

CORDEL X REPENTE
O cordel é diferente 
Do repente improvisado 
O cordel é sempre escrito 
Em folheto e declamado 
O repente é improviso 

Sem ter nada decorado. (Estrofe retirada do livro "Vida Rima com cordel" Ed. Salesiana.)


Poesia Repentista

É o desafio de cantadores. É feita pelo cantador repentista que utiliza-se da viola nordestina, faz a chamada cantoria "pé- de- parede". O repentismo de viola agrega inúmeras modalidades. É a forma de improviso que mais se difundiu pelo país, também pelo processo migratório. O repentismo também é difundido em festivais. Cuidado para não confundir o repente de viola com a embolada ou o Rap.

Improviso
A manifestação de improviso que deu origem à literatura de cordel, é a cantoria feita com viola, não com pandeiro. Existem muitas outras formas de improviso poético pelo Brasil (Cururu, Rap, Partido alto, etc) cada um desenvolvido em uma região e com características e tradições próprias.

Poesia matuta

Outro estilo da literatura sertanejo- nordestina, usa muito quadras e rimas com som parecido.
"Vaca Estrela e Boi Fubá" do poeta Patativa do Assaré







Antonio Silvino, antes de Lampião, ele era o cangaceiro mais famoso e seu apelido mais conhecido foi “Rifle de Ouro”. Nascido no dia 2 de dezembro de 1875, em Afogados da Ingazeira, Manoel Batista de Morais entrou para a história como Antonio Silvino. Durante 16 anos, driblou a polícia, praticou saques e assassinou inimigos, mas era tratado pelos poetas populares como um “herói” por respeitar as famílias. Tornou-se o detento número 1.122, condenado a 239 anos e oito meses de prisão. Em 4 de fevereiro de 1937, depois de vinte e três anos, dois meses e 18 dias de reclusão, foi indultado pelo presidente Getúlio Vargas. O ex-rei do cangaço morreu em 30 de julho de 1944, em Campina Grande, na casa de uma prima.

              

ESCANSÃO (contagem das sílabas poéticas)
ANTONIO SILVINO - o rei dos cangaçeiros 
de Leandro Gomes de Barros


1     2      3     4       5      6        7
O /  pó / vo / me / cha / ma / gran(de)           A
E  / co / mo / de / fa / to eu/  sou                  B
Nun / ca / go / ver / no / ven / ceu(-me)         C
Nun / ca /ci / vil / me / ga / nhou                   B
A / trás / de / mi / nha e/  xis/ tên(cia)           D

Não / foi / um / só / que / can / sou               B




Versos com sete sílabas poéticas  - redondilha maior
Versos com cinco silabas poéticas - redondilha menor
SEXTILHA (ESTROFES COM 6 VERSOS)

OFICINA DE PRODUÇÃO
Agora, em duplas ou trios e seguindo as ideias próprias do estilo de época definido para a classe, os alunos elaborarão um poema de cordel, para o qual deverão dar um título e apresentar a seguinte estrutura:
I. Uma situação inicial.
II. Indícios de desequilíbrio da situação inicial.
III. A constatação desse desequilíbrio.
IV. A tentativa de recuperar o equilíbrio do início.

V. A volta ao equilíbrio inicial.
Mote: Contos de fadas

Grade de critérios de correção
-Adequação entre título e texto.
-Adequação ao estilo definido pela classe.
-Presença de crítica social.
-Respeito às características do gênero textual escolhido: poema de cordel.
-Criatividade coerente com a realidade textual produzida.

Aulas de Cordel e Repente

Ref.: http://www.teatrodecordel.com.br/

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Leitura do texto não verbal

“Os estudantes do ensino médio devem ter clareza de que a formação do gosto pessoal relaciona-se às experiências de vida familiar e cultural, aos meios de comunicação de massa, à escola e outros aprendizados, assim como às relações de cada um com a arte. Enfim, que o gosto pessoal é construído e está sempre em construção”
PCN+ EM
Obras que aparecem no clipe abaixo:


Artista

Obra de arte

Movimento

País

Ano
1
Leonardo da Vinci
A última ceia
Renascimento
Itália
1497
2
Botticelli
Nascimento de Venus
Renascimento
Itália
1485
3
Rembrandt
A Lição de anatomia do Dr. Tulp
Barroco
Holanda
1632
4
Hans Holbein
o moço – Henrique VIII
Alemanha
1537
5
Vermeer
Moça com brinco de pérola
Barroco
Holanda
1665
6
Theodore Gericault
A balsa da medusa
Romantismo
França
1818
7
Jacques-Louis David
A morte de Marat
Neoclássico
França
1793
8
Michelangelo
A criação de Adão
Renascimento
Itália
1512
9
Magritte
O filho do homem
Surrealismo
Bélgica
1964
10
Mondrian
Composição
Modernismo
Holanda
1926
11
Frida Khalo
Auto-retrato Dedicado ao            Dr. Eloesser
México
1940
12
Picasso
Retrato de Dora Maar
Cubismo
Espanha
1937
13
Munch
O Grito
Modernismo
Noruega
1893
14
Van Gogh
Auto retrato
Expressionismo
Holanda
1889
15
Andy Warhol
Marilyn Monroe
Pop art
EUA
1967
16
Desconhecido
Gabrielle d’Estress e suas irmãs
1595
17
Cimabue
Maestà (Santa Trinita Madonna)
Bizantino
Itália
1302
18
Caravaggio
Salomé com a cabeça de São João Batista
Barroco
Itália
1607
19
Edouard Manet
Olympia
Impressionismo
França
1863
20
Delacroix
A liberdade guiando o povo
Romantismo
França
1830
21
Otto Dix
Retrato da jornalista Sylvia von Halle
Alemanha
1926
22
Gustav Klimt
O Beijo
Modernismo
Austria
1908
23
Marc Chagall
Mariee (A noiva)
Modernismo
Russia
1950
24
Velasques
As Meninas
Barroco
Espanha
1656
25
Van Gohg
Girassóis
Expressionismo
Holanda
1888



70 Million by Hold Your Horses ! (OFFICIAL MUSIC VIDEO)


Leitura de imagem
DESCRIÇÃO
  • Discussão sobre uma das Obras que aparecem no Clip acima 
  • Registrar no caderno,  aleatoriamente,      palavras que vem a mente;
  • O que sabemos sobre o assunto ( gênero: pintura , fotografia entre outros)
CONTEXTUALIZAÇÃO DA OBRA

ANÁLISE: AQUECENDO O OLHAR
     Quantas cores podem ser vistas na imagem?
     A coloração indica o horário do dia ou a estação do ano?
     Existem linhas na imagem?
     Que tipos de linhas predominam: retas ou curvas, finas ou grossas?
     É uma imagem vertical ou horizontal?
     O artista usa cor ou linha para explorar texturas? Como?
     Você vê qualquer coisa que passe a sensação de maciez, de dureza, de liso, de áspero, de afiado?
    Como o artista conseguiu o efeito de volume?
     Quantos planos estão presentes?
     Há perspectiva?
     É uma imagem parada ou em movimento?
     É simétrica ou assimétrica?

INTERPRETAÇÃO: PRODUÇÃO TEXTUAL
Criar narrativas sobre a imagem, o ambiente e os personagens retratados
• Que sentimentos a imagem expressa?
• Que aspectos de sua vida se relacionam à imagem?
• Quem são os personagens retratados?
• O que eles parecem estar fazendo?
• Que lugar é este?


Estabeleça relações entre a imagem e aspectos da realidade.

Retomar o registro das primeiras impressões que a imagem causou, ressignificando-as, comparando-as com as reflexões que estão sendo produzidas nesse momento.
Construção de juízos de valores: Conversar sobre as opiniões pessoais a respeito do objeto cultural observado, se agrada ou não , quais são seus critérios de valor.

PRODUÇÃO DO GRUPO COM OUTRA OBRA 
Quadro vivo


Bibliografia
                          
·        Proposta Curricular de Arte – Secretaria Estadual de Educação do Estado de São Paulo
·        Caderno do professor de Arte – Ensino Médio – 2ª série/2008
1º, 2º, 3,e 4º Bimestre;
  • (PCN + Ensino Médio);
  • Referencial de Expectativa para o desenvolvimento da Competência Leitora e Escritora no Ciclo II do ensino Fundamental