segunda-feira, 30 de maio de 2016

FICHA DE PERSONAGENS

Responda:
    1. Premissa ou Mensagem desta História (o que estou a tentar provar com a história desta personagem)

2.Essência do personagem
  • Peculiaridade
  • Aliados
  • Conflitos
  • Motivação

3. Ficha do personagem
    Nível superficial: Onde ele trabalha, com quem se relaciona, o que faz da vida. Nível pessoal : Vida social, necessidades básicas, caráter, humor. Nível privado: Anseios mais íntimos do personagem, ambições, desejos, segredos.

quinta-feira, 5 de maio de 2016

https://drive.google.com/file/d/0ByHgN8Kc5-n8blZ1QUdHSUc2N1U/view?usp=sharing

quarta-feira, 6 de abril de 2016

REDAÇÕES DO ENEM - O QUE É AVALIADO


Dissertar é debater, discutir, questionar sobre os mais variados assuntos que a sociedade nos apresenta expressando nosso ponto de vista desenvolvido com clareza e concisão por meio de ideias que fundamentem essa posição, mas isso dever ser feito em terceira pessoaFrases curtas, linguagem direta, estrutura organizada em ideias lógicas; podemos dividi-las em introdução, desenvolvimento e conclusão.
Quanto à interdiscursividade, esta é baseada na formação discursiva, que parte do princípio das relações de classes que sugerem algumas posições políticas e ideológicas de acordo com certas conjunturas sociais. Podemos reconhecer essas formações nos textos, pelo cruzamento de vários discursos ou a predominância de um único. 
Toda manifestação textual de discurso analisamos como episódio de cunho social e histórico, como ela está ligada à formação discursiva, possibilita o aparecimento de determinadas vozes que fazem parte do convívio do produtor do texto.
No caso do texto escolar, a probabilidade de encontrar a voz dos professores entremeada no discurso do aluno é muito grande devido ao fato deles serem os mediadores de seus conhecimentos. A voz da família é outro elemento que certamente permeia o texto, contribuindo de maneira positiva ou negativa na opinião do jovem, uma vez que essa é a primeira instituição formadora da qual ele faz parte. A voz do adolescente permeia o texto marcado por suas ideias e crenças juvenis, baseada na sua vivência em sociedade e nas opiniões que conseguiu formar até então. A voz ideológica será pautada nas considerações formadas pelo discente ao longo de suas reflexões sobre os ensinamentos do professor, as convicções familiares, a sociedade em que vive e sua real adaptação ou não a essas situações.

Algumas convenções para citação do discurso alheio:  "Convenções para citação do discurso alheio (discurso direto, indireto e indireto livre): dois-pontos, travessão, aspas, verbos dicendi, tempo verbal, expressões introdutória, paráfrase, contexto narrativo" (BRASIL, 2004, p. 81).

Enem= Voz social + Voz do texto proposta  + Voz do interlocutor

"O objetivo principal do Enem é ver se as pessoas conseguem refletir sobre suas realidades, e não se elas são grandes eruditos."

Filosofia e sociologia na redação do ENEM
Introduções 
VOZES DA REDAÇÃO NO ENEM


                    REDAÇÕES DO  ENEM
             TEXTOS
CORRIGIDOS (MILHÕES)
NOTA MIL
NOTA ZERO
2014
6,1
250
529.374
2015
5,6
104
53.032

Competência 1    -    200 PONTOS
Demonstrar domínio da modalidade escrita formal da língua portuguesa
Competência 2    -    200 PONTOS
Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo em prosa
Competência 3    -    200 PONTOS
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista
Competência 4    -    200 PONTOS
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação
Competência 5    -    200 PONTOS
Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos


REDAÇÃO NOTA 1000 Uol - redações de 2015

REDAÇÃO NOTA 1000 Folha - redação de 2015 que cita a "Pepa Pig"

Referências
http://www.unifafibe.com.br/revistasonline/arquivos/revistaletrasfafibe/sumario/6/14042010181920.pdf

segunda-feira, 4 de abril de 2016

CURSO 2016


https://ecolearning.eu/?startup=noautologin#

Objetivos do Curso ECOiMOOC
Os objetivos  gerais do curso Competências Digitais para Professores são:

  • Refletir sobre os desafios colocados à escola, em particular no contexto de sala de aula, resultantes da influência das tecnologias digitais
  • Debater formas de integração de ferramentas tecnológicas de aprendizagem social (social learning tools), visando melhores práticas com impacto positivo no desempenho dos alunos.
  • Construir propostas didáticas apelativas e inovadoras baseadas na utilização de ferramentas digitais



Tema 1. Pesquisar, selecionar e partilhar recursos na Internet 
Competências a desenvolver:
Pesquisar, selecionar e partilhar recursos na internet, tendo em atenção a qualidade das fontes de informação e os problemas éticos envolvidos.

Tema 2. Utilizar ferramentas digitais na sala de aula

Competências a desenvolver:
Construir cenários de aprendizagem apelativos que propiciem o desenvolvimento de competências de resolução problemas e de atuação criativa nos estudantes.

Tema 3. Promover a aprendizagem colaborativa com ferramentas digitais

Competências a desenvolver:
Demonstrar a pertinência da mediação de ferramentas digitais para criação de ambientes de aprendizagem colaborativa.

sexta-feira, 1 de abril de 2016

Maria da Penha

"O cravo e a rosa juntaram os panos.
Que vida gostava viveram 10 anos, mas um belo dia o cravo estressou e com grosseria a rosa tratou. A rosa chorou, chorou, chorou.
A rosa chorou, chorou, chorou.
O cravo e a rosa ficaram de mal.
O rumo da prosa não estava legal.
A rosa tristonha ficou recolhida, sentia vergonha de ser agredida.
 A rosa chorou, chorou, chorou.
Olhou para o cravo e assim falou: 'se você está pensado que vai me descer a lenha eu vou logo lhe avisando da Lei Maria da Penha. Baixe sua guarda é melhor do que descer a lenha."




Crime praticado de mãe para filha e de filha para mãe: aplica-se a Lei Maria da Penha.(HC 175.751/RS);
Crime praticado de filho contra mãe: aplica-se a Lei Maria da Penha. (HC 290.650/MS);
Crime praticado de irmão contra irmã: aplica-se a Lei Maria da Penha. (HC 212.767/DF);
Crime praticado de nora contra sogra: aplica-se a Lei Maria da Penha. (HC 175.816/RS);
Crime praticado de padrasto contra a enteada: aplica-se a Lei Maria da Penha. (HC 42.092/RJ);
Crime praticado de ex-namorado contra ex-namorada: aplica-se a Lei Maria da Penha. (HC 182.411/RS);
Crime praticado de tia contra sobrinha: aplica-se a Lei Maria da Penha. (HC 250.435/RJ);
Crime praticado de filho contra pai idoso: NÃO se aplica a Lei Maria da Penha. (RHC 51.481/SC).

sábado, 19 de março de 2016

Uso de pronome oblíquo- antes do verbo.

1) Quando o verbo estiver precedido de palavras que atraem o pronome para antes do verbo. São elas:

a) Palavras de sentido negativo: não, nunca, ninguém, jamais, etc.

Ex.: Não se esqueça de mim.

b) Advérbios.

Ex.: Agora se negam a depor.

c) Conjunções subordinativas.

Ex.: Soube que me negariam.

d) Pronomes relativos.

Ex.: Identificaram duas pessoas que se encontravam desaparecidas.

e) Pronomes indefinidos.

Ex.: Poucos te deram a oportunidade.

f) Pronomes demonstrativos.

Ex.: Disso me acusaram, mas sem provas.

2) Orações iniciadas por palavras interrogativas.

Ex.: Quem te fez a encomenda?

3) Orações iniciadas por palavras exclamativas.

Ex.: Quanto se ofendem por nada!

4) Orações que exprimem desejo (orações optativas).

Ex.: Que Deus o ajude.

sexta-feira, 18 de março de 2016

ANÁLISE DE JORNAL



      O jornal é uma versão da realidade, que precisa ser desmontada, analisada, criticada, superada em sua aparência, articulada ao toso socio-econômico-político de forma a permitir que venha à tona uma outra realidade, aquela que foi pensada e que foi construída por quem a conheceu com sua crítica.

Exercício: Identificar no trabalho a Legenda abaixo
Material: Cartolina, 1ª página de jornal, cola, caneta colorida, sulfite
CABEÇALHO
1. Título do jornal
2. Quantidade de páginas
3. Horário de fechamento da edição
4. Dia, mês, ano, cidade, site
5. Preço do jornal
6. Anúncio

CORPO
7.a - manchete com foto
7.b - manchete sem foto
8. Sutiã - bigode
9. Lead da matéria
10.a -  texto chamada com foto
10.b - texto chamada sem foto
11. Olho
12. Chapéu
13. Índice
14. Foto-legenda
15. Chamada título
16. Publicidade
17. Assinatura (repórter)
18. Crédito da foto
19. Intertítulo
20. Gráfico
21. Infográfico
22. Tabela
23. Charge
24. Chamada dos caderno
Observações: Se a foto principal da página relacionar-se ao tema do título de maior destaque, considera-se manchete com foto; em caso contrário, temos manchete sem foto. A foto principal relaciona-se, na maioria das vezes, a uma chamada secundária, que aqui é considerada como chamada com foto. Os demais textos que possuem título e uma breve apresentação do assunto, sem ilustração, são considerados chamadas sem foto. As entradas em que existe uma foto com o texto da legenda trazendo mais informações que a simples descrição da foto, porém sem chegar a ser um texto autônomo, são consideradas fotos-legenda. As chamadas compostas por apenas uma frase, com tipologia mais próxima de títulos do que dos textos, foram classificadas como chamada-título.
  1. PRIMEIRA PÁGINA ON - LINE FOLHA DE SÃO PAULO

domingo, 13 de março de 2016

FEUDALISMO

Os séculos IX e X foram caracterizados pelo temor às invasões bárbaras, o que causou uma descentralização do poder central e fortalecimento dos poderes locais. Hoje vamos compreender as características desse período e sua repercussão na história.
O medo das pessoas em relação aos bárbaros fê-las procurar locais seguros para ficar e estes foram encontrados nas grandes fazendas, os chamados feudos. Eles eram comandados por um senhor feudal que fornecia proteção, casa e alimento em troca do trabalho desses lavradores e pequenos proprietários.
Portanto, foi nesse período que surgiu a relação entre suserania e vassalagem, ou seja, a submissão de alguém, um vassalo, em relação a um senhor, suserano, o que criava também um regime de servidão, que difere da escravidão pois o servo é ciente da sua condição humana e tem direitos cedidos pelo senhor, embora sejam poucos.
Foi gerada então uma estratificação social com o senhor feudal no topo da pirâmide, seguido pelo clero, nobreza e servos, sendo os últimos a maior parte da população.
A base da economia era a agricultura, realizada pelos servos, que produziam para sustentar a si mesmos e a família do senhor e deviam seguir uma série de imposições, tais como a capitação por pessoa, que representava os impostos e podia ser paga com produtos ou trabalho; a corveia, que estabelecia que eles deviam trabalhar alguns dias sem receber; a talha, ou seja, a concessão de parte da produção ao senhor; as banalidades, em que deviam pagar pela utilização das instalações do feudo; entre outras.
Os feudos também eram divididos. A fração particular do senhor feudal era chamada manso senhorial, já a destinada ao trabalho dos servos era o manso servil e as terras de uso comum, como bosques, pastos e florestas eram as terras comunais, porém havia restrições ao uso delas pelos servos.
Esse período tem grande importância no estudo da história e gerou uma série de acontecimentos que mudaram a estrutura da sociedade. Porém suas repercussões nós vamos estudar no próximo artigo.
REFERÊNCIA: INFOENEM

domingo, 28 de fevereiro de 2016

´TEMAS PARA VESTIBULARES 2016


  • 2010 – O trabalho na construção da dignidade humana
  • 2011 – Viver em rede no século 21: os limites entre o público e o privado
  • 2012 – Movimento imigratório para o Brasil no século 21
  • 2013 – Efeitos da implantação da Lei Seca no Brasil
  • 2014 – Publicidade infantil em questão no Brasil
  • 2015 – A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira
  • 2016 - ?????

1. Interrupção da gravidez em decorrência da zika

O aumento nos casos de microcefalia no Brasil reabriu o debate sobre aborto no país. Atualmente, no Brasil, só é permitido interromper uma gravidez em caso de risco à vida da mãe, quando a concepção foi resultado de um estupro ou quando o feto é anencéfalo.

2. HOMOFOBIA


homofobia é a rejeição ou aversão aos homossexuais e, consequentemente, à homossexualidade e ela está presente, infelizmente, em todas as esferas de atividade humana, inclusive na escola, entre crianças e adolescentes, e deve ser combatida a fim de ser eliminada em nossa sociedade para vivermos respeitando as demais pessoas independente da orientação sexual.
A homofobia está presente nos mínimos detalhes do cotidiano. Referir-se à homossexualidade como homossexualismo, palavra com o sufixo –ismo que designa doença, é falta de informação, no mínimo, ou homofobia, já que a homossexualidade não é considerada uma doença. Homossexuais não são doentes.
Em relação ao ambiente escolar, segundo a pesquisa “Juventudes na Escola, Sentidos e Buscas: Por que Frequentam?”, realizada em vários Estados brasileiros ao longo do ano de 2013, o qual ouviu mais de 8 mil estudantes entre 15 e 29 anos, 19,3% dos estudantes de escolas públicas não gostariam de ter um colega de classe homossexual, travesti, transexual ou transgênero.
Quando as respostas de meninos e meninas são comparadas, os primeiros revelam ser mais conservadores em relação à orientação sexual e a identidade de gênero, já que preferem ter colegas de classe egressos do sistema prisional do que colegas de classe homossexuais ou travestis, por exemplo.
Já no que concerne o casamento entre pessoas do mesmo sexo, 52,5% dos jovens entrevistados são contrários ao novo arranjo familiar e isso é um problema para a escola que parece não saber lidar com essas questões.
Além disso, os alunos homossexuais, travestis, transexuais e transgêneros têm seu aprendizado prejudicado, já que o ambiente escolar não é favorável para a aprendizagem de pessoas que não são aceitas pelo grupo de estudantes e, assim, a escola torna-se mais um espaço de exclusão e não de inclusão.
REFERÊNCIA: INFOENEM

3. o DIREITO DA MULHER

____________________________________________________________

Uma brecha na lei paquistanesa permite que homens saiam impunes após matarem uma mulher! Mas um documentário sobre os crimes de honra foi indicado ao Oscar e agora o primeiro-ministro paquistanês prometeu tomar medidas. Temos apenas 4…
SECURE.AVAAZ.ORG


ACORDO ORTOGRÁFICO 01 E EMPREGO DO "Ç"

Deixaram de ser acentuados:
  • Os ditongos orais abertos ei e oi na posição paroxítona:
    As-sem-blei-a; i-dei-a; ji-boi-a; he-roi-co
    (herói continua acentuado, pois o ditongo está na posição oxítona)
  • Os hiatos ee e oo:
    vo-o ; so-o; co-o; le-em; de-em, cre-em; ve-em
  • As vogais i e u dos hiatos, na posição paroxítona, precedidos por ditongo decrescente:
    Bai-u-ca; fei-u-ra
    (mas Pi-au-í, tu-iu-i-ús mantêm acento pois o hiato está na posição oxítona)
  • O u tônico de formas verbais rizotônicas (tem a sílaba tônica no radical)
    (tu) arguis, (ele) argui (antes ‘argúis’ e ‘argúi’)
  • Deixa de haver trema (¨) no u pronunciado e átono das sílabas gue, gui, que, qui:
    Linguiça, pinguim, frequente
  • O trema permanece nos nomes estrangeiros e palavras derivadas desses nomes
    Müller > mülleriano
  • Foram mantidos os acentos diferenciais apenas em
    Pôr (verbo) X por (preposição)
    (eles) têm X (ele) tem
    (eles) vêm X (ele) vem
    Pôde (pretérito perfeito do indicativo) X pode (presente do indicativo)

Será empregado Ç:
1) Nos substantivos derivados dos verbos “ter” e “torcer”
ater– atenção
deter– detenção
manter– manutenção
contorcer– contorção
distorcer-distorção
contorcer– contorção
2) Na conjugação de alguns verbos
nascer – nao, naa
crescer- creo, crea
descer- deo, dea
Aqui a presença do Ç se justifica, pois o verbo no infinitivo já apresenta a letra C, que tem som sibilante diante de vogal E e para manter a mesma letra e o mesmo som, acrescenta-se a cedilha.
3) Na correlação t > ç, c: quando o termo primitivo apresenta um T, o derivado apresentará Ç (pela etimologia: o T está presente na palavra em Latim, geralmente)
Ato – ação,
Canto – cancioneiro,
Ereto – ereção,
Isento – isenção
Exceto – exceção
Deter – detenção
infrator – infração
trator – tração
redator – redação
introspectivo – introspecção
relativo – relação
Exceção: dissentir/dissensão e a correlação rt > ers: divertir/diversão
4) Em palavras derivadas de verbos dos quais se retira a desinência R:
reeducar – reeducação
importar – importação
repartir – repartição
fundir – fundição
5) Após ditongo quando houver som de s:
eleição
traição
6) Em vocábulos de origem árabe, italiana, tupi e africana:
açúcar, muçulmano, açafrão, açoite, açougue
muçarela, carroça
araçá, açaí, Iguaçu, Juçara, Guaçu
bagunça, cachaça, caçula, miçanga

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

LIVROS PARA 2016 - VESTIBULARES


Confira a lista de obras obrigatórias da Fuvest 2016:
• Viagens na minha terra - Almeida Garrett;
• Til - José de Alencar;
• Memórias de um sargento de milícias - Manuel Antônio de Almeida;
• Memórias póstumas de Brás Cubas - Machado de Assis;
• O cortiço - Aluísio Azevedo;
• A cidade e as serras - Eça de Queirós;
• Vidas secas - Graciliano Ramos;
• Capitães da areia - Jorge Amado;
• Sentimento do mundo - Carlos Drummond de Andrade.

Abaixo está o programa de leituras para o Vestibulares 2016 da Unicamp. As obras marcadas em negrito são as que foram mantidas da lista atual.
Poesia:
Carlos Drummond de Andrade, Sentimento do Mundo.
Luís de Camões, Sonetos1
Contos:
Clarice Lispector, “Amor”, do livro Laços de Família.
Guimarães Rosa, “A hora e a vez de Augusto Matraga”, do livro Sagarana.
Monteiro Lobato, “Negrinha”, do livro Negrinha2
Teatro:
Osman Lins, Lisbela e o prisioneiro3
Romance: 
Almeida Garret, Viagens na Minha Terra.
Aluísio Azevedo, O cortiço.
Jorge Amado, Capitães da Areia.
José de Alencar, Til.
Machado de Assis, Memórias Póstumas de Brás Cubas.
Mia Couto, Terra Sonâmbula.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

1ª PRODUÇÃO DE TEXTO 2016


Justificativa: Retomada do gênero
Tempo: 13 aulas
TEMA: O Consumo ilícito de álcool por adolescentes: como enfrentar esse desafio.
GÊNERO: Artigo de Opinião

1ª atividade: Proposta de redação de texto dando sua opinião sobre o tema (2 aulas)
2ª atividade: Teoria sobre o gênero (1 aula)
3ª atividade: Leitura de textos do gênero Artigo de Opinião (2 aulas)
4ª atividade:  Leitura de textos diversos gêneros e vídeos sobre o tema (assunto), e anotação para inserção dos argumentos no texto. (2 aulas)

http://drauziovarella.com.br/dependencia-quimica/alcoolismo-na-adolescencia/
http://www.cisa.org.br/artigo/167/uso-bebidas-alcoolicas-por-menores-idade.php
http://www.cisa.org.br/artigo/493/video-como-falar-sobre-uso-alcool.php
http://www.cisa.org.br/categoria/16/videos.php
http://www.cisa.org.br/categoria/17/diversos.php
http://brasilescola.uol.com.br/psicologia/jovens-bebidas.htm

5ª atividade: Apresentação da tabela de conectivos (1 aula)
6ª atividade: Jogos com conectivos (2 aulas)
7ª atividade: Retomada do texto: construção da argumentação. (Tarefa)
8ª atividade: Leitura compartilhada dos textos dos alunos e proposta de intervenção. (3 aulas)
9ª atividade: Refacção do texto

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

FOCO BAS HABILIDADES PARA INÍCIO DE 2016 PARA O 1º EM


H01 - Identificar a finalidade de um texto, seu gênero e assunto principal.
H02 - Identificar os possíveis elementos constitutivos da organização interna dos gêneros escritos (não literários): propagandas institucionais, regulamentos, procedimentos, fichas pessoais, formulários, verbetes de dicionário ou de enciclopédia, notícias.
H07 - Localizar informações explícitas no texto, com o objetivo de solucionar um problema proposto. H08 - Diferenciar ideias centrais e secundárias, ou tópicos e subtópicos de um texto.
H10 - Estabelecer relações entre imagens (fotos, ilustrações), gráficos, tabelas, infográficos e o corpo do texto, comparando informações pressupostas ou subentendidas.
H12 Inferir opiniões ou conceitos pressupostos ou subentendidos em um texto.
H13 - Localizar um argumento utilizado pelo autor para defender sua tese, em um texto argumentativo.
H16 - Estabelecer relações de causa/consequência entre informações subentendidas ou pressupostas distribuídas ao longo de um texto.
H17 - Distinguir um fato da opinião pressuposta ou subentendida em relação a esse mesmo fato, em segmentos descontínuos de um texto.
H18 - Inferir a tese de um texto argumentativo, com base na argumentação construída pelo autor

sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Temas para redação 2016. Vamos lá!!!

  • O respeito aos benefícios oferecidos aos idosos e deficientes físicos brasileiros
  • Jeitinho Brasileiro: Conscientização Sobre Pequenas Corrupções
  • Bullying nas escolas brasileiras: como enfrentar esta dura realidade?
  • Do luxo ao lixo: a obsolescência planejada
  • O consumo ilícito de álcool por adolescentes: como enfrentar este desafio?

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

CAPITAÇÃO DE VERBA PARA PROJETOS

No Brasil 
1. Ministério da Saúde - Oferece informações sobre as principais ações desenvolvidas pelo Ministério, a utilização dos recursos disponíveis e as normas setoriais vigentes. http://www.saude.gov.br/

2. GIFE - Grupo de Institutos, Fundações e Empresas que congrega cerca de 40 instituições que voluntariamente aportam recursos técnicos, humanos e financeiros para projetos no setor social, nas áreas de educação, saúde, meio ambiente, assistência social e cultura. O site contém uma Agenda de eventos e várias listas com discussões sobre o Balanço Social. http://www.gife.org.br/

3. BOLSA DE NEGÓCIOS - SEBRAE - Serviço de promoção de negócios, cujo objetivo é identificar e aproximar compradores e fornecedores de produtos, serviços, resíduos e oportunidades de negócios. http://www.bolsa.sebrae.com.br/

4. UNICEF - Organismo da Organização das Nações Unidas responsável pela gestão dos programas e campanhas de assistência à infância. Direitos da criança, publicações, catálogos, estatísticas sobre mulhres e crianças, lista de vídeos, pesquisa. Endereço eletrônico para requisitar informações complementares e enviar sugestões. http://www.unicef.org.br/

5. Abrinq - Entidade sem fins lucrativos de Utilidade Pública Federal, que tem por objetivo promover os direitos elementares da cidadania das crianças. O site contém informações genéricas sobre a instituição, uma ficha cadastral, um link para mensagens e um Base de Conhecimento sobre o Trabalho Infantil. Há, ainda, uma bibliografia sobre o Trabalho de Crianças e Adolescentes no Brasil; legislação; séries estatísticas; publicações. http://www.fundabrinq.org.br

6. OAB - ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL - Página da instituição com informações sobre legislação, jurisprudência, direitos humanos. Diversos endereços eletrônicos e páginas de advogados e das regionais. http://www.oab.com.br/

7. Ministério da Cultura - Minc - Apresentação do Ministério; calendário de eventos 1997/1998; concursos; legislação; economia da cultura; banco de dados sobre a produção cultural no país; verbas oficiais. http://www.minc.gov.br/

8. BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - Informações sobre os produtos e serviços do Banco; financiamentos; privatizações; apoio à cultura; editais. http://www.bndes.gov.br/ V. especialmente o site http://www.bndes.gov.br/social

9. Fundação Roberto Marinho - Oferece uma visão panorâmica das ações realizadas pela fundação, especialmente nas áreas de educação, cultura e restauração do patrimônio histórico. http://www.frm.org.br/

10. Ministério do Meio Ambiente, dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal - MMA - Informações sobre a fauna e flora brasileiras, educação ambiental, Agenda 21, consulta ao sistema de protocolo do Ministério, competências e biblioteca virtual. http://www.mma.gov.br/

11. PROGER - Programa de Geração de Trabalho e Renda. Programa de governo financiado com recursos do FAT. http://www.bancobrasil.com.br/proger

12. Fundação Banco do Brasil - Informações sobre os programas e as ações promovidas pela Fundação, que tem como público alvo os membros das comunidades carentes do país. Combate ao desemprego; ajuda aos atingidos pela seca, culturais. http://www.fbb.org.br/

13. COMUNIDADE SOLIDÁRIA / VOLUNTÁRIOS - Programa Voluntários: Programa criado pelo Comunidade Solidária, visando a promoção, valorização e qualificação do trabalho voluntário no Brasil. http://www.uol.com.br/voluntarios/

14. CNBB - Conferência Nacional dos Bispos do Brasil - Informações sobre as atividades da entidade, links, campanhas. http://www.cnbb.org.br/ No Exterior

15. Fundação Interamericana - IAF. Instituição que promove diversos tipos de ajuda para pessoas de baixa renda da América Latina e do Caribe. Oferece gratuitamente a assinatura da revista Desenvolvimento de Base que contém estudos e análises sobre estes tipos de experiência. http://www.iaf.gov

16. Council on Foundations - Instituição com mais de 100 anos de atuação nas áreas de saúde e assistência social, e cujo principal objetivo é promover a filantropia através do apoio aos atuais e futuros filantropos. http://www.cof.org/index

17. Philanthropic Advisory Service - Organização vinculada ao ao Council of Better Business Bureau. Contém formulários para solicitação de auxílio caritativo, recomendações para doadores e relatórios sobre ações sem fins lucrativos http://www.bbb.org/pas.html

18. Civicus - O objetivo principal desta instituição é promover uma aliança internacional dedicada à fortalecer a cidadania e a sociedade civil no mundo. http://www.civicus.org/

19 . Charity Village (Canada) - Oferece notícias, informações, recursos, discussões e links relacionados à comunidade canadense de filantropos. http://www.charityvillage.com/cvhome.html

 20. Charities Aid Foundation (United Kingdom) - Incentiva e apoia ações caritativas no Reino Unido e internacionais. http://www.charitynet.org/

21. German Charities Institute - 28.000 páginas na internet sobre o universo das iniciativas de caridade, filantropia e voluntariado na Alemanha. http://www.dsk.de/

22. Independent Sector - Coalizão de mais de 850 grupos, fundações e organizações voluntárias, cuja missão é criar um fórum nacional para encorajar a doação e a ação voluntária de indivíduos e organizações. http://www.indepsect.org/

23. Guide Star - Contém informações sobre programas e finanças de mais de 600.000 instituições de caridade e organizações sem fins lucrativos dos EUA, notícias sobre filantropia e orientações para doadores e voluntários. http://www.guidestar.org/

24. European Foundation Centre (EFC) - A EFC foi criada para promover e dar suporte ao trabalho de fundações e instituições européias e associadas dedicadas à filantropia. http://www.efc.be/about/

25. OXFAM - Com mais de 50 anos de experiência no combate à pobreza e com atuação em cerca de 70 países, a OXFAM é uma organização do Reino Unido e da Irlanda dedicada a incentivar e incrementar as ações de desenvolvimento e de combate à pobreza. O site traz informações sobre as diversas campanhas da organização, publicações, pesquisas, projetos de desenvolvimento, notícias, documentos, etc. http://oneworld.org/oxfam/

26. Ford Foundation (THE) - Fundada em 1936 a Fundação Ford tem como objetivos gerais fortalecer os valores democráticos, combater a pobreza e a injustiça, promover a cooperação internacional e avançar o progresso humano. Suas principais atividades são o financiamento de projetos de desenvolvimento, bolsas, educação, direitos civis, relações internacionais, financiamento de projetos de combate à pobreza. http://fordfound.org

27. ICCO - Interkerklijke Coordinatie Commissie Ontwikkelings Projecten - A missão da ICCO se refere ao combate à pobreza e à miséria e à promoção da dignidade humana. Atua através do financiamento de projetos de desenvolvimento, projetos de emergência, e lobby junto a atores políticos. http://www.antenna.nl/icco/

28. NOVIB (Netherlands Organisation for International Development Cooperation - A NOVIB é partidária do combate estrutural à pobreza e pretende deste modo participar no desenvolvimento sustentável de determinados grupos do hemisfério sul. Entre as suas atividades estão o financiamento de projetos de desenvolvimento, assessorias técnicas, educação para o desenvolvimento, lobby frente a atores políticos e mobilização da opinião pública, http://antenna.nl/novib

FONTE: RITS