sexta-feira, 8 de agosto de 2014

AGENDA 3º BIMESTRE

ATIVIDADES DIDÁTICO-COOPERATIVAS E COMPLEMENTARES


MÊS
SEMANA
S
T
Q
Q
S
S
JUL
14
15
16
17
18
21
22
23
24


29
30
31
01
02
AGO
04
05
06
07
08
11
12
13
14
15
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
SET
01
02
03
04
05
08
09
10
11
12

10ª
15
16
17
18
19

11ª
22
23
24
25
26

12ª
29
30










18-22/08 - Avaliação AAP
25-28/08 - Avaliação ADEI
02 e 23/08 - Reunião de Pais

22-26/09 - Semana de Prova








18/07 - Produção de texto: gênero livre, tema a Copa 2014

24/07 - PERSONAGENS E PERSONAGEM PROTAGONISTA

04-05/08 - TEXTO "História de passarinho" - exercícios

15/08 - CONTO - GRUPO
  1. Enviar por email: integralsustentavel@gmail.com até dia 15/08
  2. Assunto do email coloque a série e o número do representante do grupo
  3. O texto deverá ser enviado em arquivo word - fonte arial 12 anexado ao email
  4. No texto deverá constar o nome de todos os participantes do grupo
  5. Enviar apenas o conto
  6. somente após ser devolvido para refacção iniciaremos as atividades para publicação e para a adaptação para um Curta.
20/08 - Artigo de opinião - individual

  1. Visite este site e escolha um tema para desenvolver .
  2. Gênero: Artigo de Opinião
  3. Atividade individual
  4. 25 a 30 linhas
  5. apresentação em arquivo word (Fonte Arial 12)
  6. enviar para integralsustentavel@gmail.com até 20/08/14
  7. Cabeçalho

28-29/08 - Publicar o curta da farsa  OU apresentação da esquete - GIL VICENTE - SALA

08/09 - Exercício Tipos do discurso
09/09 - Entrega do Caderno de Literatura

11 e 12/09 - FESTIVAL MEDIEVAL - SALA

18/09 - Conto Publicado - grupo
Encadernado
Capa: trazer na capa (ilustrada) o nome do conto e cabeçalho no final da página


EEMI Profª Ilza Irma Moeller Cóppio
Série:
Nome dos autores:_____________________Nº_____ 
Data:
Projeto "Curta um Conto"
Profª Katty Rasga

 







1ª página - Prefácio
2ª página - Agradecimentos
3ª página - Apresentação do personagem protagonista
4ª página e seguintes - o conto
?ª página e seguintes - biografia dos autores com foto

29/09 - Instalação Expressão artística moderna intersemiótica e folder - grupo


03/10 - Curta do conto - Grupo
curta com a adaptação do conto

10/10 - Resenha de um dos contos da sala - individual


quinta-feira, 7 de agosto de 2014

ARTIGO DE OPINIÃO

TEMAS PARA REDAÇÃO

Objetivo: Elaborar um artigo de opinião

Visite o site e escolha um tema para desenvolver.
Gênero: Artigo de Opinião
Atividade individual
25 a 30 linhas
apresentação em arquivo word (Fonte Arial 12)
enviar para integralsustentavel@gmail.com até 20/08/14
Cabeçalho


EEMI Profª Ilza Irma Moeller Cóppio
Nome:____________________________Nº_____ série___ ___
Data
TEMA
Profª Katty Rasga

 












segunda-feira, 4 de agosto de 2014

TIPOS DE DISCURSO




PLANO GERAL/GLOBAL DO TEXTO
        Em uma narrativa, o narrador pode apresentar a fala das personagens através do discurso direto, do discurso indireto e do indireto livre.

DISCURSO DIRETO
        No discurso direto, conhecemos a personagem através de suas próprias palavras. Para construir o discurso direto, usamos o travessão e certos verbos especiais, que chamamos de verbos "de dizer" ou verbos dicendi.

Exemplo 1
Foi até sua casa a fim lhe contar o ocorrido. No trajeto, viu Maria de longe, acenou e gritou:
—Preciso falar com você urgente!!!
Maria respondeu:
— Estou trabalhando agora, depois te ligo, tudo bem
Exemplo 2
" — Que crepúsculo fez hoje! - disse-lhes eu, ansioso de comunicação.
— Não, não reparamos em nada - respondeu uma delas. - Nós estávamos aqui esperando Cezimbra."

Mário Quintana, "Coisas Incríveis no céu e na terra."

Exemplo 3
       "Os juazeiros aproximaram-se, recuaram, sumiram-se. O menino mais velho pôs-se a chorar, sentou-se no chão.
Anda, condenado do diabo, gritou-lhe o pai."

        Graciliano Ramos,  "Vidas Secas".

DISCURSO INDIRETO
        No discurso indireto, o narrador "conta" o que a personagem disse. Conhecemos suas           palavras indiretamente. 
Exemplo 1
Só pode ter enlouquecido, sussurrou a mulher,
Lygia F. Telles, "História de Passarinho"

Exemplo 2
"O pai gritou-lhe que andasse, chamando-o de condenado do diabo."

DISCURSO INDIRETO LIVRE

Há ainda, uma terceira forma de conhecer o que as personagens dizem. É o discurso indireto livre. Nesse caso o narrador passa do discurso indireto para o direto sem usar nenhum verbo dicendi ou travessão.
Exemplo 1
O menino mascava chicle. Você não sabe nada mesmo, Pai, nem marca de carro, nem marca de cigarro, nem marca de passarinho, você não sabe nada.
Lygia F. Telles, "História de Passarinho"



EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO
1) Observe a frase a seguir:  A fúria do jovem parecera incontrolável, e ele disse que derrubaria a porta, que jamais o deteriam ali.
Assinale a alternativa que indica a melhor transformação do discurso indireto do texto em discurso direto:
a) - Derrubarei a porta, jamais me prenderão aqui.
b) - Derrubaria a porta, jamais me prenderiam aqui.
c) - Derrubarei a porta se me prenderem aqui.
d) - Derrubaria a porta se me prendessem ali.
e) - Derrubarei a porta, jamais me prenderão ali.

2) (FATEC) Na transposição da fala da personagem para o discurso indireto, a alternativa correta é:
"Ela insistiu:
- Me dá esse papel aí."
a) Ela insistiu que desse aquele papel aí.
b) Ela insistiu em que me desse aquele papel ali.
c) Ela insistiu em que me desse aquele papel aí.
d) Ela insistiu por que lhe desse este papel aí.
e) Ela insistiu em que lhe desse aquele papel ali.

3) (ESAN)  "Impossível dar cabo daquela praga. Estirou os olhos pela campina, achou-se isolado. Sozinho num mundo coberto de penas, de aves que iam comê-lo. Pensou na mulher e suspirou. Coitada de Sinhá Vitória, novamente nos descampados, transportando o baú de folha."
O narrador desse texto mistura-se de tal forma à personagem que dá a impressão de que há diferença entre eles. A personagem fala misturada à narração. Esse discurso é chamado:
a) discurso indireto livre
b) discurso direto

c) discurso indireto



GABARITO: A/E/A

domingo, 3 de agosto de 2014

TRAGÉDIA E COMÉDIA





Compreender as diferenças entre
comedia e tragédia e as características do conto.


TRAGÉDIA
Peça de teatro que representa uma ação dolorosa cujo término conduz a uma situação de desgraça, desventura e até morte. Procura-se imitar o sofrimento ou a piedade humanos até o momento do clímax.
COMÉDIA

Esse gênero ocupa-se do cotidiano de pessoas comuns. Sua principal característica, contudo, é a presença de um final feliz. O objetivo do texto cômico é provocar o riso do público.

CONTO

Objetivo: ELABORAR UM CONTO para publicação

Trabalho em Grupo
Enviar por email: integralsustentavel@gmail.com até dia 13/04
Assunto do email coloque a série
O texto deverá ser enviado em arquivo word - fonte arial 12 anexado ao email
apenas o conto
somente após ser devolvido para refacção iniciaremos as atividades para publicação e para a adaptação para um Curta.

Na estrutura do conto há:
um só drama,
um só conflito;
rejeita as digressões;
rejeita as extrapolações.
busca um só objetivo, um só efeito.


ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO
-Situação de equilíbrio
-Fator qualquer de desequilíbrio
-Solução
-Novo equilíbrio
A narrativa se inicia com um equilíbrio e este é quebrado, seja pela introdução de um elemento mágico, seja pelo falecimento ou afastamento de algum personagem. Essa quebra de equilíbrio gera o conflito, e a narrativa desenvolve-se na busca de uma solução. Uma vez resolvido o conflito, o equilíbrio que se restabelece não é mais o mesmo, embora possa ser parecido com o inicial. * podendo ocorrer no mesmo texto um ou mais trinômios desse tipo. Linguagem predominantemente de acordo com o padrão culto, formal ou informal, da língua.


ELEMENTOS DA NARRATIVA
1. Personagens: Número reduzido de personagens (caracterizá-las :altura, cor dos cabelos, dos olhos etc., e aspectos psicológicos de tipos humanos)
2. Enredo: apresentação, complicação, clímax e desfecho
3. Narrador (foco narrativo adotado: em 1ª ou 3ª pessoa. Se for em 3ª, ele pode saber tudo, se for em 1ª, depende da sua atuação dentro do enredo. ) -narrador-observador ou narrador-personagem
4.Tempo (atenção para o fato de que acontecimentos e ações têm, necessariamente, uma duração. )
5. Espaço (devem ter uma função determinada no texto, ou seja, devem manter com a trama uma relação significativa. )
6. Ambientação - socioeconômicos
7. Discurso
8. Aspectos psicológicos, morais, religiosos
9. Simbologia



Plano de trabalho
1. Ficha dos personagens
2. Ficha completa do personagem protagonista
3. Tema
4. situação problema em que ele está envolvido
5. solução do problema
6. Elaborar o roteiro


  

Não Tem Segredo


Os contos objetivam, de modo geral, provocar no leitor uma unidade de efeito, ou seja, conseguir, com o mínimo de meios, o máximo de efeitos. Isso faz que esse texto centre sua economia narrativa em um único foco de interesse, cortando tudo aquilo que não estiver diretamente relacionado a prender a atenção do leitor nesse foco.

ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO TEXTUAL 
Tipo de discurso: NARRAR

Análise da Infra-estrutura textual

1.Plano geral/global do texto, tipos de discurso, sequências; 

2.Mecanismos de textualização: 
-coesão nominal (diz respeito às relações entre os níveis de organização de um texto e é explicitada pelos organizadores textuais  (conjunções, advérbios, locuções adverbiais, etc.). Trata-se da conexão entre as macroideias do texto. Tem a função de introduzir novos elementos no texto e assegurar a sua retomada ou a sua substituição, formando as cadeias anafóricas, cujas unidades constitutivas podem ser, por exemplo, os pronomes (pessoais, relativos, possessivos, etc.). 

-coesão verbal (retomadas nominais e pronominais, ou anáforas e catáforas) e 
verbal (tempos e modos verbais);

A articulação temporal produz diferentes efeitos de sentido.
- O uso do pretérito cria um efeito maior de objetividade: os fatos já ocorreram e são examinados com o leitor a partir de certa distância.
- O uso do presente reforça a subjetividade, uma vez que envolve mais o narrador (e o próprio leitor) nas ações narradas.

3.Mecanismos de responsabilização enunciativa, que são constituídos das modalizações e das vozes presentes no texto. As vozes contribuem para o esclarecimento dos posicionamentos enunciativos enquanto que as modalizações, permitem “explicitar as posições do enunciador em relação ao seu interlocutor, a si mesmo, ao conteúdo temático veiculado e ao seu propósito comunicativo”.  Charaudeau e Maingueneau (2006: 334) 

Para a interpretação textual também é necessário atentar-se para os seguintes aspectos:
- temática;
- interlocutores;
- fonte (meio de publicação);
- finalidade;
- intencionalidade;
- ideologia;
- informatividade;
- situacionalidade;
- temporalidade;
- intertextualidade.
-  leitor potencial